sexta-feira, 28 de abril de 2017

Midnight Oil, o show que o Rio espera há duas décadas

Por Rafael Cavalcanti/ especial para o Vitrolanews

Faz muitos anos que a surf music, estilo musical que embalou gerações, se perdeu. E se o mar não está para boas ondas, o jejum promete dar uma trégua. Depois de 15 anos sem subir aos palcos, o Midnight Oil abre a histórica turnê mundial, ‘The Great Circle 2017 World Tour’, começando pelo Brasil. Duas décadas sem pisar em terra brasilis, o grupo australiano, um dos mais conceituados do cenário surf music e conhecido também pelo seu ativismo, se apresenta este domingo (30) no Vivo Rio, no Rio de Janeiro, onde a surf music fez história. O quinteto liderado pelo vocalista e ativista político Peter Garrett é completado por Jim Moginie (guitarra), Martin Rotsey (guitarra), Bones Hillman (baixo) e Rob Hirst (bateria).

O show, na véspera do Dia do Trabalhador, 1º de maio, promete entrar para a história da agenda carioca. Afinal, na cidade maravilhosa, a cultura praieira faz parte da vida do cidadão comum. Isso sem falar que faz duas décadas que não passam por aqui – a última apresentação foi no ‘Metropolitan’, na Barra da Tijuca, em 97, e deixou muitas saudades.

A volta do Midnight Oil à capital carioca representa muito mais para o público, o show é um colírio. Especialmente para uma juventude anos 80 e 90 que frequentava as areias de Ipanema com seu cabelo cuia, franjas e que curtia o dial da Maldita FM (Fluminense 94,9). A mesma que assistia no final de tarde os programas Realce e Vibração, exibidos pela Rede Record, embalados pelas trilhas sonoras de ‘Popstar’ (João Penca) e dos australianos Australian Crawl, Men at Work e, claro, Midnight Oil, só para citar alguns.

Mesma geração, porém, que ficou refém de uma indústria fonográfica pobre de talentos, pelo menos neste segmento. Jack Johnson e Ben Harper são os últimos a erguer a bandeira.

Se os tempos são outros, não parece que ele passou tão rapidamente para o Midnight Oil, que há 15 anos não se reunia nos palcos. Com uma banda de primeiríssima qualidade, os australianos mostram fôlego de sobra para embalar essa galera da praia, que vai poder reviver e curtir o som que embalou uma geração inteira.

Música raiz para nutella nenhum botar defeito, e sair dançando por aí ao som de ‘Blue Sky Mine’, ‘Forgotten Years’, ‘Kinf of the Mountain’ e ‘Beds are Burning’, entre outras. Esses australianos tiram onda!

Em tempo: após as apresentações no Brasil, a banda australiana passará por 14 países com a turnê ‘The Great Circle 2017 World Tour’.




quinta-feira, 27 de abril de 2017

Suicidal Tendencies inicia hoje turnê pelo Brasil

O Suicidal Tendencies inicia nesta quinta-feira (27/04), no Rio de Janeiro, a série de três shows pelo Brasil. A apresentação no Metropolitan marca a turnê de divulgação de novo disco World Gone Mad. No setlist também estão alguns clássicos do grupo como como “War Inside My Head”, “Subliminal”, “How I Will Laugh Tomorrow”, “You Can’t Bring Me Down” e “Institutionalized”.

A atual formação do grupo conta com Mike "Cyco Miko" Muir (vocal), Dean Pleasants (guitarra), Jeff Pogan (guitarra), Ra Díaz (baixo) e um convido de peso, Dave Lombardo (bateria - ex-Slayer) que retornam ao Brasil para mostrar seu novo álbum. Os ingressos para os shows em São Paulo (aqui) e no Rio (aqui) custam a partir de R$90,00.

Veja as outras datas e locais abaixo.

A “WORLD GONE MAD SOUTH AMERICAN TOUR APRIL 2017”
27/04 - Imperator - Rio de Janeiro, Brasil
28/04 - Abril Pro Rock – Recife, Brasil
29/04 - Tropical Butantã - São Paulo, Brasil

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Os Vasconcelos em Fuga lançam novo clipe

O power trio baiano Os Vasconcelos Em Fuga acaba de lançar mais um clipe do seu primeiro EP. O vídeo da música Tempestade foi totalmente produzido em estúdio, no formato webclipe, produzido, e editado pelo vocalista e guitarrista Cristian Levy.

Criado em março de 2015, o trio baiano tem, além de Cristian, Porquinho, baixo, e Mathias, na bateria. Os músicos, já experientes e conhecidos nas noites da Bahia, por outros grupos, comungam do mesmo objetivo: unir música e diversão.

As influências vão do reggae ao ska, passando pelo rock, pop e punk-rock. A música a Tempestade traz um pouco da saga dos integrantes para movimentar a cena alternativa na capital baiana e a persistência e o sonho de viver da própria música.

Confira abaixo.

quarta-feira, 19 de abril de 2017

StomSons lança novo clipe com cover do Depeche Mode

Divulgação
O quinteto paulistano StormSons lançou nesta quarta-feira o clipe da música It's No Good, cover do Depeche Mode. Produzido por Guilherme Fernandez, o video mostra uma versão pesada, bem diferente da gravação original do grupo inglês.

O StormSons é uma banda de Stoner Metal / Southern Rock de Sao Paulo. Foi formada em 2015 e é composta por Cadu Pelegrini (Kiara Rocks/Corazones Muertos) nos vocais, Bruno Luiz (Command 6/Supla) na guitarra, Henrique Baboom (Supla) no baixo, Mateus Schanoski (Tomada/Golpe de Estado) nos teclados e Rodrigo Abelha (Anjo dos Becos) na bateria. Entre as influcências do grupo estão Black Sabbath, Pantera, Metallica, HIM e, claro, Depeche Mode.

Confira abaixo o clipe de It´s No Good, na versão do StormSons e logo abaixo a versão original.

Para ouvir outras músicas e conhecer melhor a banda paulista acesse o BDG UOL.



Hip-Hop movimenta a véspera do feriado na Fundição Progresso


No próximo dia 20 de abril, quinta-feira, véspera de feriado, a Fundição Progresso vai se tornar um caldeirão do rap nacional. O Encontro das Tribos - Edição Hip-Hop vai levar ao palco da casa quatro grandes expoentes do gênero: Costa Gold, Cacife Clandestino, Oriente e 3030.

Diretamente de São Paulo, o Costa Gold foi criado em 2011 e é o grupo de rap nacional com maior visibilidade no Youtube, tendo mais de 1.3 milhões de inscritos no seu canal e mais de 361 milhões de views em seus clipes. Formado por Predella, Nog e DJ Cidy, o grupo acaba de lançar o clipe “Sexy Lady”, com produção de Pedro Lotto, e desembarca no Rio de Janeiro prometendo contagiar o público carioca com suas rimas e batidas alucinantes.

Criado em 2010, o Cacife Clandestino conquistou cenário nacional em 2012 com o Hit "Beija Flor", que até hoje é cantado nas melhores noitadas de RAP. De lá pra cá, o grupo, formado pelo rapper Felp22 e pelo produtor Terror dos Beats, vêm se firmando cada vez mais com um dos expoentes do rap carioca. O Cacife Clandestino prepara o lançamento da Mixtape “Medellin Records - Marginal”, com 15 faixas, sendo 12 delas inéditas, e trará alguns de seus maiores sucessos para o palco da Fundição.

O Oriente foi formado em 2009, em Niterói, e ganhou notoriedade após o lançamento de seu primeiro álbum, em 2011, com o hit “O Vagabundo e a Dama” - que já acumula mais de 57 milhões de visualizações no Youtube. Formado por Chino, Nissin, Geninho e Bruno Silva, o grupo se prepara para o lançamento do álbum “Yin Yang” e começa aos poucos a divulgar trabalhos que estarão no álbum, como o clipe “Linda, Louca e Mimada”, lançado em março deste ano.

O 3030 seguiu um caminho parecido. Sua história começou em 2009, no concurso Rap Popular Brasileiro, mas foi apenas em 2011, com o EP “De volta ao início” e a canção “Mundo de Ilusões”, que o grupo formado por Bruno Chelles, Lk e Rod caiu no gosto do público. Os membros do grupo nasceram no Rio de Janeiro mas foram criados em Arraial D'Ajuda (BA), terra onde a banda foi formada. Utilizam elementos de música brasileira e seu canal oficial no Youtube já ultrapassou os 100 milhões de views.


Evento: Encontro das Tribos - Edição Hip Hop


Atrações: Costa Gold, Cacife Clandestino, Oriente e 3030

Data: 20 de abril, quinta-feira

Local: Fundição Progresso (Rua dos Arcos, 24 – Lapa - Rio de Janeiro)

Informações e venda de ingressos: www.fundicaoprogresso.com.br

Abertura da casa: 22hrs

Início do show: 00h

Capacidade: 5.000 pessoas

Tel para informações: (21)3212-0800

E-mail: contato@fundicaoprogresso.com.br

Classificação etária: 16 anos


terça-feira, 18 de abril de 2017

Carro do acervo pessoal de Renato Russo é mantido a céu aberto


Carro que pertenceu ao Renato Russo


Quem vai à frente do prédio em que Renato Russo viveu seus últimos anos, no Rio de Janeiro, é surpreendido com uma peça importante do acervo pessoal do cantor. Estacionado em frente ao número 378 da rua Nascimento Silva, em Ipanema, a céu aberto, está o veículo GM Ômega/GLS, verde, placa LBG 3332, que pertencia ao líder da Legião Urbana. É estranho ver o carro que pertencia ao cantor ali, sem qualquer cuidado especial, exposto às condições do tempo. É como se uma parte da própria história do Renato Russo também estivesse ali, à mercê do sol e da chuva. Com um projeto de exposição do artista previsto para ser lançado esse ano, em São Paulo, o carro do artista poderia ser uma peça importante. Todo fã gostaria de ver o carro que foi do cantor.

Foi na pacata rua da Zona Sul carioca que Renato Russo viveu seus últimos anos de vida, até o falecimento, em 11 de outubro de 1996. O local é ponto de encontro de fãs, que vão ali para viver por alguns momentos um pouco da mesma atmosfera do cantor e fazer uma foto em frente à porta estreita do prédio de três andares com fachada de tijolo aparente. A entrada ficou conhecida ao ser estampada na capa do álbum The Stonewall Celebration Concert, de 1994, primeiro disco solo do cantor.

Entrada do apartamento que ficou conhecida na capa do primeiro disco solo do cantor



Renato Russo chegou ao apartamento 201, do pequeno prédio de três andares, em 1990. No período que ali morou saíram três discos da Legião Urbana gravados em estúdio: V (1991); Descobrimento do Brasil (1993) e A Tempestade (1996), além de dois álbuns solos The Stonewall Celebration Concert (1994) e Equilíbrio Distante (1995).

Museu do Renato Russo

Em 2016, um projeto de exposição sobre Renato Russo no Museu da Imagem e do Som de São Paulo (MIS) foi aprovado pelo Ministério da Cultura (MinC) para captar até R$ 3 milhões pela Lei Rouanet. Uma comissão de análise, que se reuniu em Brasília de 4 a 6 de outubro, reduziu o valor aprovado em relação ao pedido inicial do MIS, que era de R$ 3,8 milhões. No projeto, o MIS diz que a exposição ocorrerá de julho a setembro de 2017. O ingresso para a exposição é de R$ 12, com entrada gratuita às terças-feiras, conforme descrição ao MinC.



A Legião Urbana Produções, responsável por administrar a marca, as obras e o acervo do cantor, foi procurada para comentar, mas até o momento não se manifestou.

segunda-feira, 17 de abril de 2017

BDG Sessions Recife aporta com a missão de dar vazão à música independente


Parceiro da UOL, o BDG é uma das maiores plataformas de música do país. Primeira edição na capital pernambucana está marcada para o dia 22 de abril, com a banda Trattores

Por Bruno Collaço

Que Recife é uma cidade conhecida por sua efervescência cultural e por ser um caldeirão de bandas independentes de alta qualidade técnica, não é nenhuma novidade. Mesmo assim, é consenso entre os músicos da capital pernambucana que faltam iniciativas na região que possam dar espaço para a apresentação destes trabalhos. É de olho neste fato e com a proposta de dar vazão à produção independente local que o projeto BDG Sessions aporta na manguetown.

A primeira edição do evento está marcada para o próximo dia 22 de abril, a partir das 21h, no Espaço Preto no Branco (localizado na Rua Vigário Tenório, 199, Bairro do Recife), com a apresentação da banda Trattores e discotecagem do DJ MV Milk. A entrada custa R$ 15 e está à venda na internet. Os ingressos são limitados, porque a proposta é tornar o ambiente um espaço intimista.

Parceiro do UOL há mais de 10 anos, o BDG (sigla pra Bandas de Garagem) é uma das maiores plataformas de música independente do país. Neste espaço os grupos podem compartilhar suas músicas, releases, outros materiais, e compartilham espaço com outros trabalhos do Brasil inteiro. Apenas do Recife, existem 1074 bandas cadastradas.

Até o momento, apenas em São Paulo acontecem eventos realizados pelo BDG Sessions com o objetivo de dar espaço a estes grupos independentes. E foi somando o know-how recifense com a música e a vontade de produzir algo na manguetown que alguns produtores tiveram a ideia de trazer este case de sucesso para a capital pernambucana. “Na verdade, foi algo meio que natural. Eu já escrevia há alguns anos no BDG e quando me mudei para o Recife no começo deste ano, o BDG Sessions (ideia de bandas tocando ao vivo) caiu no meu colo. Junto a uma galera responsa daqui, adotamos o filhote e alimentando quase diariamente ele acabou saindo do papel”, afirma Marcus Vinicius Leite, jornalista responsável pela nova filial no Recife.

A banda que vai dar o pontapé desta empreitada nordestina é a Trattores, sexteto pernambucano com sangue latino correndo nas veias e que faz sua estreia já com uma penca de coisa pra mostrar nos registros virtuais: um compacto com duas músicas, clipe e uma interatividade com as mais diversas influências – Ragga, Ska, Cumbia juntamente com pitadas de elementos eletrônicos.

Gustavo Kamara que divide o vocal com Carlos Eduardo Petruchio e a argentina Chula Blasco, ressalta: "Pra gente é uma alegria. Somos instigados pela busca por novas experiências e o BDG parece ter isto como princípio, um lugar de busca pelo novo. É uma parceria que me parece bonita desde já e que vai trazer muitas coisas boas para a cidade", conclui.

O local escolhido para a estreia da empreitada no Recife foi o Espaço Preto no Branco, localizado há poucos metros do Marco Zero, ponto turístico e pontapé inicial da história da manguetown. Para Marcus Iglesias, um dos produtores do BDG Sessions Recife, “a ideia de fazer no Preto no Branco tem tudo a ver com a energia que o lugar tem. Das janelas lá de cima a gente consegue visualizar o bairro inteiro e essa é uma sensação de pertencimento da cidade muito legal de sentir”, explica. Já Kássio Almeida, diretor artístico, acredita que “levar o Sessions para o Recife Antigo, além da questão simbólica, é interessante porque estamos fazendo com que a musica de Pernambuco circule da maneira que ela merece”.

A próxima edição do BDG Sessions Recife já tem data marcada, também no Espaço Preto no Branco. Será no dia 19 de maio, com a banda Dirimbó, que vai lançar na ocasião o single ‘Deixar Tu Loks’ (presente no novo EP da banda).

Serviço
BDG Sessions - Recife/PE #1 edição

Banda Trattores e discotecagem de MV Milk
Espaço Preto no Branco – (Rua Vigário Tenório, 199 - Recife Antigo).
22 de abril (sábado) | 18h
R$ 15 (no local) ou online no Sympla


quarta-feira, 12 de abril de 2017

All Meg´s Milk lança primeiro EP

O duo curitibano All Meg's Milk acaba de lançar o primeiro EP. Batizado de "Como Você Vai?", o disco traz 9 faixas, que resultam no total de 25 minutos.

O All Meg´s Milk é formado por Jean Bartos (Baixo e Backing Vocal) e Renan Aham (Guitarra e Voz) e tem entre suas influencias Mukeka di Rato, Dead Kennedys, Ramones, Stiff Little Fingers, Queens of The Stone Age, Rage Against the Machine, Titãs, Trombone de Frutas, Cólera, Jesus and Mary Chain, Pink Floyd.

O EP pode ser conferido na íntegra abaixo, direto pelo player do BDG UOL. A produção foi 100% caseira e independente, feita pelo próprio Renan Aham (Mixagens, samples, gaita e capa).


terça-feira, 11 de abril de 2017

U2 fará dois shows em São Paulo em outubro

O site Globo Esporte anunciou nesta segunda-feira (10) que o U2 fará dois shows em São Paulo, no estádio do Morumbi, nos dias 19 e 22 de Outubro. Atualmente a banda irlandesa excursiona pelo Estados Unidos, em turnê comemorativa de 30 anos do álbum The Joshua Tree.

A banda retorna ao Brasil seis anos após seu último show, que aconteceu em 2011. Rumores sobre a apresentação da banda circulam há algum tempo e detalhes sobre os ingressos devem ser anunciados em breve.

quarta-feira, 5 de abril de 2017

23 anos sem Kurt Cobain


Há exatos 23 anos morreu Kurt Cobain. Encontrado morto em sua casa, em Seattle (EUA), o líder e vocalista do Nirvana foi achado com uma espingarda ao lado do seu corpo, com um ferimento visível na cabeça e uma nota de suicídio.

Aos 27 anos, Kurt saiu de cena, deixando um legado enorme para a música mundial. Cobain foi, sem dúvida, o maior nome dos anos 90. Com o Nirvana produziu quatro grandes álbuns de inéditas: Bleach (1989), Nevermind (1991), Incesticide (1992) e In Utero (1993).

Em 2015 foi lançado o documentário "Cobain: Montage of Heck" que conta a história do cantor e mostra um pouco da sua genialidade. Fato é que sua obra segue viva e será sempre lembrada.