segunda-feira, 30 de agosto de 2010

O agricultor que plantou a árvore do rock

Muito em breve vamos falar aqui sobre um universo muito amplo que envolve a simples assinatura de um ídolo numa folha de papel. Eu mesmo tenho autógrafos que adoro e dou uma conferida de vez em quando, confesso. Um destes autógrafos me foi enviado na caixa “20 years of Jethro Tull” que a Chrysalis – um dos selos da EMI – produziu para o hoje “quarentão” dinossauro do rock. O autógrafo é de Ian Anderson. Ele, a essência e detentor da marca Jethro Tull. O pacote de três CDs vem acompanhado de um encarte colorido trazendo, na página central, a árvore genealógica do grupo, um curioso organograma mostrando as formações, todas as conexões - de onde vieram (as raízes da árvore) e onde foram parar (os frutos) todos os músicos (um total de 26 pessoas) que ajudaram a banda a vender mais de 60 milhões de discos em todo o mundo.

Observar esta página ainda me surpreende. A começar pela primeira formação da banda. Além de Anderson, participaram o guitarrista Mick Abrahams, o baixista Glenn Cornick e o baterista Clive Bunker. Nenhum dos três está na formação atual mas foram vistos juntos nos anos 90 tocando músicas do Tull na banda “This Was” que formaram para caçar uns trocados. Aliás, Abrahams – informa o encarte – é também um consultor de finanças. Já nos anos 80, vindo do Roxy Music, o tecladista Eddie Jobson passou pela banda – que integrou por 11 meses – para, em seguida, se juntar a Jon Anderson, Chris Squire, Alan White e Trevor Rabin na oitava formação do Yes – numa das idas e vindas de Rick Wakeman e do chato Patrick Moraz (que Lulu Santos chama de “Marick Pra Trás”). Eles se conheceram e se detestaram quando integravam o Vímana, ao lado de Lobão e Ritchie – de “Menina Veneno”. Opa, quase me perdi no devaneio. Mas voltando ao Eddie Jobson: ele hoje tem uma das mais bem equipadas produtoras de jingle do planeta. Confira em www.eddiejobson.com .

A propósito, a exemplo do grupo Uriah Heep cujo nome é inspirado num personagem malvado do livro “David Copperfield” do romancista inglês Charles Dickens, Jethro Tull também tem sua origem no nome de uma pessoa. Jethro Tull viveu na Inglaterra entre os séculos XVII e XVIII e é considerado um dos pioneiros da agricultura científica, tendo introduzido ideias como a rotação de colheitas - para não cansar a terra - entre outros métodos. Viu? O Vitrola também é cultura... Em tempo, para conhecer outras genealogias do rock aqui vai uma dica: http://blog.familyrock.com .

Por Claudio Carneiro

Um comentário:

  1. Excelente matéria Claudio Carneiro!Vc é o cara!

    ResponderExcluir